Depois de 20 anos, Valdésia atingiu a remissão no tratamento para depressão com o teste genético

“Tu já pensou, 22 anos tomando medicação?” Valdésia Albino viveu isso e o pior: foram duas décadas sem conseguir um resultado eficaz no tratamento para depressão. A empresária também contou sua história de superação depois de realizar o teste genético em um relato para a revista Marie Claire. Valdésia começou com um processo depressivo, de tristeza e angústia. Ao procurar um psiquiatra, deu início ao tratamento. Porém foram vários anos e tentativas de fármacos sem resultado. Ela viu o quadro depressivo avançar e, aos poucos, ir perdendo sua autonomia. Ao vê-la sem conseguir mais sair de casa ou ficar desacompanhada, a família foi buscar tratamentos alternativos. Foi então que descobriram o teste genético para tratamento de depressão através de uma entrevista do jornalista Jorge Pontual. Com o teste genético da GnTech, o Dr. Guido Boabaid May pode redirecionar o tratamento de Valdésia. O teste mostrou que ela era metabolizadora rápida de alguns fármacos, precisando aumentar a dosagem, e apresentou outras possibilidades de medicamentos que tendiam a baixo efeito colateral. Também foi apresentada no laudo uma mutação genética que interferia no metabolismo de substâncias. Com a mudança no tratamento, cerca de quatro semanas depois ela já apresentou melhoras significativas. Hoje, a empresária recuperou sua qualidade de vida. “Eu não esperava que em tão pouco tempo ia dar essa reviravolta na minha vida, que eu ia ficar tão bem.”

 

 

Maicon recuperou a autonomia utilizando o teste genético no tratamento para síndrome do pânico

Maicon Vandersen teve sua vida limitada pela síndrome do pânico durante quase 15 anos. Ele apresentava ataques de pânico muita frequência e estava ficando cada vez mais fóbico. Depois de passar por vários psiquiatras e sofrer muito com efeitos colaterais dos fármacos, descobriu o teste genético da GnTech. Com o exame, detectou-se que Maicon estava tomando um medicamento que tinha baixa resposta para ele. O psiquiatra pode notar que, boa parte dos sintomas era devido à somatização e não efeito colateral dos fármacos. Foi realizada a prescrição de um novo medicamento, com dosagem aumentando progressivamente para a adaptação. Em seis semanas já tinha resultados expressivos. Com o sucesso do tratamento, Maicon pode voltar a curtir antigos prazeres sem os sintomas da ansiedade.

 

 

Os genes de Fernanda interferiam no metabolismo dos medicamentos no tratamento de ansiedade

Fernanda Volpato tinha sintomas de ansiedade, mas ao iniciar o tratamento, o psiquiatra pode perceber um quadro de depressão também. Com um tratamento tradicional, na tentativa e erro, Fernanda conseguiu apresentar uma melhora parcial, de cerca de 50%. Ao elevar a dose, surgiram alguns efeitos colaterais. Com isso, Fernanda decidiu fazer o teste genético da GnTech para encontrar o melhor medicamento para o seu caso. O laudo mostrou que alguns genes dela interferiam na resposta e metabolização de certos medicamentos. Ao mudar o tratamento, ela conseguiu encontrar a remissão da ansiedade e depressão.