A época de Natal e Ano Novo pode ser difícil para quem enfrenta transtornos como depressão e ansiedade. Seja pela frustração de metas não cumpridas ou pela representação de pessoas felizes em espírito natalino. Porém, há sempre meios de conseguir lidar com essas sensações.

O professor e psicólogo da Universidade de Toronto Adam K. Anderson acredita que parte do problema dessa época do ano é o bombardeio midiático durante o período de festas. São inúmeros comerciais na televisão ou postagens em redes sociais destacando imagens com pessoas felizes e satisfeitas, de forma mais exagerada que o usual. “As pessoas podem começar a questionar a qualidade de seus próprios relacionamentos”, explica o professor.

A exibição constante de momentos felizes dos outros pode levar a um questionamento sobre a presença de felicidade e amor em suas próprias vidas. Natal e Ano Novo podem ser especialmente dolorosos para quem ao longo do ano lidou com conflitos familiares, perdas, rompimento, divórcio, solidão e problemas de saúde mental.

 

O desafio do Natal para quem tem depressão e ansiedade

O Natal pode ser difícil tanto para quem passa a data em família quanto para quem enfrenta a solidão.

A ceia em família pode ter como pano de fundo conflitos e memórias dolorosas. Há ainda, muitas vezes, a incompreensão dos familiares sobre os problemas de saúde mental. É comum acontecerem cobranças de comportamentos positivos ou reativos quando a pessoa enfrenta problemas algum transtorno. Até mesmo a frustração de não conseguir estar feliz na companhia de quem se ama pode ser um fator a mais nesta equação.

Por outro lado, há aquelas pessoas vivem longe da família ou por algum motivo passam a data sozinhas. O isolamento social é um dos maiores preditores da depressão, especialmente durante as festas de final de ano. Pessoas que estão sozinhas ou que têm sentimentos de desconexão muitas vezes evitam interações sociais neste período do ano. Infelizmente, esse afastamento muitas vezes agrava os sentimentos de solidão e os sintomas de depressão.

 

A pressão do Ano Novo como gatilho para depressão e ansiedade

O Ano Novo traz consigo a ideia de encerramento e início de novo ciclo. Para quem sofre de depressão, essa época do ano pode ser um momento difícil de lidar com as frustrações de objetivos não alcançados. Especialmente em um ano de pandemia e isolamento social, em que muitos planos foram suspensos, pode ser angustiante fazer um balanço do ano.

Já para quem sofre de ansiedade, as emoções negativas podem ser acionadas pela expectativa do próximo ano. É um momento de traçar novas metas, o que se torna ainda mais desafiador em um contexto de futuro incerto.

 

Como lidar com a depressão e ansiedade durante as festividades

 

Não se sinta obrigado a nada

Caso se sinta mal em algum evento ou situação, você tem todo o direito de ir embora. O mais importante é saber respeitar seu tempo e suas emoções.

 

Busque ajuda profissional

Se você enfrenta quadros de depressão e ansiedade, o acompanhamento profissional é muito importante. A ajuda de um psiquiatra ou psicólogo pode fazer toda a diferença para saber manejar as emoções e lidar com essa época do ano.

O tratamento mais indicado costuma conciliar psicoterapia e uso de medicamentos. Se você está em tratamento, não abandone a medicação por causa das festividades, pois pode ser muito prejudicial para o quadro.

O teste farmacogenético é sempre uma alternativa para guiar a prescrição de forma mais segura e eficaz.

Saiba mais sobre como o exame pode ajudar no tratamento de depressão e ansiedade clicando aqui.

 

Ser solidário faz bem!

Muitas vezes ser voluntário em ações de final de ano pode dar um sentido para o momento, uma outra perspectiva da vida, e, claro, a satisfação de estar ajudando outras pessoas.

Organize uma ação para distribuir presentes a crianças carentes ou alimentos para ceia em comunidades carentes.

 

Renove as tradições

Principalmente nos casos de pessoas que sofreram alguma perda e sentem um enorme vazio nesta época do ano, renovar as tradições e criar rituais diferentes podem fazer a diferença.

Uma opção é viajar em família para um lugar isolado ao invés de passar o feriado em casa. Até mesmo fugir da tradicional ideia de ceia de Natal e Ano Novo e propor outro tipo de atividade para as datas.

 

Referências:

Psicólogo e Terapia,

Vittude