A depressão infantil atinge cada vez mais crianças no mundo todo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o índice mundial de crianças de seis a 12 anos de idade diagnosticadas com depressão saltou de 4,5% para 8% na última década (dados de 2017).

É importante ajudar a criança a desenvolver sua inteligência emocional e estar atento para identificar os sintomas de um possível transtorno depressivo.

A depressão infantil (DI) é um transtorno do humor caracterizado pela tristeza e pela incapacidade de sentir prazer. Ela pode estar associada a outros transtornos ou a fatores como a relação da criança com os demais

Muitas vezes a criança acaba por carregar as frustrações dos pais, que idealizavam como ela deveria agir, se vestir, pensar e até mesmo do que gostar. E a criança, numa tentativa de agradar os pais, entristece por não se reconhecer nestas projeções e não validar a sua singularidade.

A melhor maneira de prevenir o desenvolvimento da depressão infantil é estar atento aos sinais que a criança demonstra, bem como dar espaço para o seu desenvolvimento e acompanhar, junto dos educadores, o seu processo escolar. 

Para evitar a depressão na infância e fortalecer essa criança para que não enfrente o transtorno mais tarde, é importante ajudá-la a desenvolver habilidades socioemocionais. Assim, conseguirão lidar melhor com emoções e situações de estresse que possam desencadear a depressão no futuro.

“Se desde crianças as pessoas forem capazes de processar, entender e compreender melhor emoções, como tristeza, raiva e medo, elas terão muito mais clareza e condições para lidar com elas e, provavelmente, serão menos afetadas pelo estresse e outros sentimentos”, explica Adriana Fóz, pesquisadora do Laboratório Interdisciplinar de Neurociências Clínicas da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

 

 A relação entre a escola, bullying e depressão infantil

A exposição ao bullying, maus-tratos e situações de violência na comunidade são alguns fatores de risco para a depressão infantil e entre adolescentes

A escola é um espaço de aprendizado coletivo e de acolhimento. Por essa razão, tem um papel importante para ajudar crianças e adolescentes a desenvolver habilidades emocionais. Trata-se de um ambiente com grande potencial para identificar problemas entre os jovens e criar espaços de convívio.

Uma das formas em que a escola pode atuar na prevenção da depressão é falar mais abertamente sobre problemas de saúde mental. Também é importante desenvolver habilidades de mediação de conflitos para manejar o estresse e fortalecer laços entre os estudantes.

Além disso, é fundamental que a instituição trabalhe para combater fatores de risco para a depressão. Por exemplo, enfrentando o bullying físico e virtual e identificando sinais de instauração de um quadro de depressão. Ressaltando que não cabe à escola fazer diagnóstico de casos de depressão, mas que o professor pode observar um aluno em dificuldade e indicar para avaliação de um especialista.

 

Sintomas de depressão em crianças

A depressão na infância pode apresentar um quadro semelhante ao transtorno depressivo na fase adulta, mas é necessário atenção e sensibilidade para diferenciar características naturais, que pertencem às fases de desenvolvimento na infância, dos sintomas que podem sinalizar esse prognóstico. As causas que levam à depressão infantil podem ser desde fatores genéticos, quando os pais apresentam o quadro, a situações que a criança vivencia durante o seu desenvolvimento.

Os pais precisam estar atentos aos sinais que a criança demonstra:

- Baixa sociabilidade,

- Falta de ânimo para brincar,

- Medo de ficar sozinha,

- Ansiedade ao se separar dos pais,

- Falta de higiene pessoal,

- Agressividade,

- Sentimento de desvalia,

- Alterações de sono ou apetite.

Também é comum os sintomas da depressão infantil serem opostos a de um adulto que apresenta o mesmo quadro, por isso é importante o acompanhamento de profissionais especializados nesta área.

 

O diagnóstico da depressão infantil

A depressão infantil normalmente é diagnosticada entre os 8 e 9 anos, momento em que ela também está consolidando a sua personalidade e a maneira como se relaciona com o que há em seu entorno. 

A alfabetização é muito importante, tanto para o diagnóstico da doença na infância quanto para o seu tratamento. Vai ser durante a convivência com outras crianças e adultos onde sintomas que evidenciam o quadro serão percebidos. 

Muitas vezes a depressão infantil, por apresentar sintomas como a falta de atenção, pode ser confundida com transtornos como o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. E, ainda, é muito comum a depressão se desenvolver por conta de outra doença que a criança já sofre, seja ela psicológica ou física.

É essencial buscar a orientação de um psicólogo e psiquiatra. Este profissional poderá fazer a avaliação e definir o diagnóstico e qual será o melhor tratamento. 

Além de identificar padrões comportamentais que evidenciam o transtorno, o profissional da área também precisa entender a origem do transtorno. Apesar do fator genético ser uma das principais causas da depressão, tanto infantil como adulta, é comum o quadro se desenvolver por conta de impactos emocionais que a criança sofreu durante o seu desenvolvimento. 

A perda de um ente querido, a separação dos pais, estar presente durante as brigas do casal, sofrer bullying na escola e mudanças grandes de rotina são algumas causas que podem desencadear a depressão infantil.

O tratamento para depressão infantil

O tratamento psicoterápico e o tratamento medicamentoso desempenham papéis diferentes e ambos podem ser importantes para superar o quadro. 

O tratamento psicoterápico consiste em acompanhamentos juntos a um psicólogo, que investigará as origens do sofrimento da criança e traçará a melhor maneira dela ressignificar as suas dores. Em suma, o tratamento psicoterápico é feito a partir da escuta e do questionamento, instigando o paciente a encontrar as suas respostas.

Mas, infelizmente, nem todos os casos de transtornos mentais são resolvidos apenas com psicoterapia. Em alguns quadros, o psicólogo pode recomendar o agendamento de uma consulta psiquiátrica e, então, ele vai entrar em contato com este profissional para traçarem, juntos, a melhor maneira de inserção dos remédios. 

É muito importante que, ao ser decidido o uso de medicamentos, o paciente seja acompanhado por estes profissionais para que os efeitos do remédio sejam monitorados. 

Normalmente, os primeiros meses do tratamento consistem em tentativas de dosar os medicamentos. O teste farmacogenético pode ser utilizado para escolha de fármacos e dosagens mais adequados, otimizando o tratamento e diminuindo riscos de efeitos colaterais.  

 

Saiba mais sobre sintomas e tratamento da depressão infantil neste vídeo da psicóloga Munyra Souza: