Dia 8 de março é o Dia Internacional da Mulher e o mês costuma ser dedicado a relembrar a luta das mulheres na sociedade. Elas buscam há muito tempo igualdade de gênero e, na maioria das vezes, enfrentam jornada dupla para dar conta do trabalho e dos cuidados com a família. Devido a uma soma de fatores sociais e também biológicos, é mais comum encontrar mulheres com depressão do que homens.

Estudos apontam que mulheres apresentam duas vezes mais a doença em comparação com os homens.  O risco de depressão é entre 10% e 25% para mulheres. Enquanto isso, entre os homens, o índice fica entre 5% a 12%.

A diferença entre homens e mulheres com depressão começa a ser mais acentuada a partir dos 15 anos. Com a puberdade, a produção de hormônios sexuais e consequentemente acaba sendo um fator a mais na tendência à doença entre as mulheres.

 

A relação dos hormônios sexuais com a depressão

Enquanto o organismo masculino produz um único hormônio sexual, a testosterona, as mulheres enfrentam uma bipolaridade hormonal. Durante 14 dias do ciclo menstrual predomina o estrógeno, enquanto que nos outros 14 a predominância é da progesterona.

O estrógeno faz com que as mulheres fiquem mais alegres e ativas. Entretanto, quando a produção desse hormônio cai, elas se sentem mais cansadas, nervosas, preocupadas, tristes e irritadas. Isso ocorre próximo à menstruação, a conhecida TPM.

Consequentemente, essa alteração hormonal é um dos fatores que contribuem para que o sexo feminino tenha uma maior predisposição para depressão, assim como outros transtornos depressivos. Por exemplo, as distimias, estados de alteração de humor que correspondem à depressão leve.

Em comparação, os homens têm uma predisposição à agressividade e ansiedade devido à ação da testosterona.

 

Os fatores sociais levam a maior evidência de mulheres com depressão

Os pesquisadores Parker e Wilheilm analisaram que, além da influência hormonal, fatores sociais também contribuem para o índice de mulheres com depressão. Para os autores, a mulher sente, experimenta e manifesta a depressão de uma maneira mais direta do que o homem. Sendo assim, as suas manifestações são mais facilmente detectadas nos instrumentos que medem a depressão.

Outra variável importante para o maior número de mulheres com depressão é que elas tendem a procurar mais os serviços de saúde do que os homens, por uma questão cultural.

A construção social faz com que o homem encare como fraqueza buscar um tratamento psicológico. Portanto, o sexo masculino muitas vezes utiliza outras estratégias de enfrentamento para exteriorizar comportamentos. Por exemplo, fazendo consumo de álcool e outras drogas.

Em contraponto, as mulheres costumam interiorizar a tristeza de maneira padrão: retraindo-se, esquivando-se das situações sociais e chorando.

 

Depressão na Gravidez e Pós-parto

Os sintomas da depressão são mais frequentes durante o período da gravidez e puerpério do que em outras fases da vida da mulher. Isso porque, alguns aspectos ganham intensidade durante esse período e podem levar ao quadro da depressão. Entre eles estão a gravidez indesejada, a insatisfação em relação entre o casal ou estar solteira, solidão, baixo nível socioeconômico, antecedentes de aborto induzido e os outros antecedentes pessoais de depressão.

Mulheres com depressão durante a gravidez podem ficar incapacitadas de tomar decisões sobre seus cuidados de saúde e com o feto. Assim como na gestação, a doença pode afetar a relação da mãe com o bebê no puerpério. Neste caso, a mulher pode não conseguir estimular a criança de forma adequada ou até mesmo amamentar.

A depressão pós-parto é um transtorno bastante comum. Entre 6,8 e 10% das mães sofrem com depressão maior nesse período e 14 a 30% sofrem com depressão menor ou distimia. As mulheres com depressão no período pós-parto podem demorar de duas semanas a três meses para apresentar os sintomas.

 

Reflexo da depressão no ambiente de trabalho

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a depressão é a segunda maior causa de incapacidade para o trabalho no mundo. São mais de 300 milhões de pessoas, de todas as idades, que sofrem com esse transtorno.

Em alguns casos, o surgimento da doença pode estar até mesmo ligado ao ambiente de trabalho. Por exemplo, fatores como discriminação, assédio, muitas demandas e pressão podem ser agravantes para o surgimento da doença.

Como resultado, a depressão pode afetar o desempenho no trabalho. O paciente tende a apresentar lentidão e dificuldade de concentração e memória. Apesar de tudo, continuar as atividades normais pode ser importante para a evolução do tratamento.

Algumas estratégias podem ajudar a lidar com a depressão no ambiente de trabalho:

 

A saúde em primeiro lugar

Mesmo com a rotina atarefada, é importante ter a saúde em primeiro lugar. Tente fazer pausas para realizar alguma atividade física durante o dia. Busque reconhecer os sintomas e aprender como lidar com eles durante o expediente.

 

Não se cobre demais

É importante reconhecer o próprio progresso e limitação. Em dias de muito trabalho, procure focar nos aspectos positivos da sua função. A rotina no emprego pode ser uma aliada para a autoestima durante o tratamento.

 

Trace metas

Tenha metas e prazos realistas, levando em conta que a depressão torna difícil seguir o mesmo ritmo de uma rotina anterior ao transtorno. Organize sua agenda e faça listas do que é preciso priorizar. Tente manter a mesa e arquivos organizados.

 

Procure ajuda

Em alguns locais de trabalho, a depressão ainda pode ser vista como um tabu e não ser compreendida. De qualquer forma, é importante conhecer os seus limites e procurar por ajuda quando se sentir sobrecarregado. Peça auxílio a um colega ou converse com o supervisor.

 

Inovação no tratamento da depressão

A depressão é tratada com medicamentos antidepressivos e psicoterapia. A medicina tradicional utiliza o método de tentativa e erro para prescrever os fármacos e testa até que o paciente encontre a alternativa mais eficaz. Entretanto, pode-se levar anos até acertar no tratamento.

Finalmente surgiram novas alternativas para o tratamento da depressão. A medicina personalizada é uma tendência e busca analisar os perfis individualmente para indicar o tratamento. Com ela, desenvolveram-se os testes farmacogenéticos.

Esses exames conseguem apresentar quais são os medicamentos que devem apresentar maior eficácia para cada indivíduo, através de uma análise genética.  A inovação facilita o trabalho dos médicos, que já partem com um estudo da predisposição genética para cada fármaco na hora de indicar o tratamento.

A Gntech® é um laboratório brasileiro que realiza o exame. O teste farmacogenético é efetivo para gerar conforto e qualidade de vida às pessoas que sofrem com depressão. Confira mais informações sobre o exame que ajuda no tratamento da depressão.

 

Referências: Minha Vida, artigo Depressão e gênero: por que as mulheres deprimem mais que os homens?, Pfizer, Organização Pan-Americana da Saúde