A validade e utilidade clínica da farmacogenômica: Melhorar os resultados dos pacientes

A Farmacogenômica (FGx), análise de vários genes ao mesmo tempo, é uma ferramenta para auxiliar a seleção dos medicamentos psiquiátricos mais adequados para um tratamento personalizado, pois detecta as diferenças genéticas que contribuem para a variabilidade de resposta e potenciais efeitos adversos em um paciente.

A maioria dos medicamentos é metabolizada por várias enzimas diferente e atuam em diferentes receptores celulares, transportadores, etc. Dessa forma, a análise de alguns poucos genes ou ainda reduzidas classes de genes (só genes metabolizadores) reduz a validade e a utilidade clínica dos testes. A farmacogenética é capaz de identificar indivíduos que estão em regimes de medicação que possam apresentar interações gene-medicamento significativas com base na integração de vários fatores genéticos (Evaluation of Genomic Applications in Practice and Prevention (EGAPP) Working Group, 2007; Altar et al, 2015; Hall-Flavin et al, 2012 e 2013;. Winner et al, 2013.), além de uma excelente relação custo-efetividade (Allen et al., 2014A, 2014b; J. Winner et al, 2013).

A validade clínica é a precisão de um teste genético para prever um o resultado clínico, tais como a probabilidade de resposta ao tratamento. A utilidade clínica representa a melhora nos resultados em indivíduos testado (FGx) em relação ao padrão normal de atendimento.

 

 

Caso prático de uso dos testes farmacogenéticos

Três ensaios clínicos prospectivos demonstraram a validade clínica do tratamento guiado por farmacogenômica combinatórias na Depressão Maior (Hall-Flavin et al, 2012, 2013; J. G. Winner et al, 2013). Em todos os ensaios os médicos que utilizaram os resultados dos testes farmacogenomicos para dirigir os tratamentos. Havia a categorização dos medicamentos em três classes (verde – utilização normal, amarelo – uso com precaução e vermelho – uso com muita precaução e acompanhamento). Os pacientes da categoria vermelha (indicando uma interação gene-droga prejudicial), experimentaram os piores resultados com base na Escala de Hamilton para Depressão (HAM-D17; Fig. 1). Os resultados mostraram a validade e a utilidade clínica (Benitez et al., 2015).

imagem1

Enquanto alguns desafios ainda permanecem, os dados de ensaios clínicos fornecem evidências para o potencial benefício generalizado da farmacogenômica na população de paciente psiquiátricos (Benitez et al., 2015).

Como uma proposta de valor, uma intervenção que oferece o potencial para melhores resultados, combinados com redução de custos é notável. Reconhecendo a acumulação contínua de dados clínicos no campo da farmacogenômica psiquiátrica e o potencial atraente de um cenário win-win (custos mais baixos, melhores resultados) para a sua população de pacientes, o Centro de Serviços Medicare, extensivamente avaliou a validade clínica, a utilidade clínica e econômica dos dados aqui apresentados (Benitez et al., 2015).

Após processo abrangente, o Centro de Serviços Medicare lançou uma decisão específica de cobertura para o teste genético do conjunto de genes associados aos medicamentos para sistema nervoso central (Centro de Serviços Medicare e Medicaid, 2014), aumentando assim a acessibilidade e o acesso aos testes para os pacientes. Além disso, várias companhias de seguros e do Departamento de Assuntos de Veteranos dos EUA tomaram decisões para também cobrir os testes.

A Expansão da educação sobre os testes FGX é vital para a implementação destas estratégias em ambientes de tratamento psiquiátricos com o objetivo geral de melhorar as decisões de seleção das medicações (Benitez et al., 2015).

 

Referências

Allen, J.D., Carhart, J.M., Spivak, A.J., Dechairo, B.M., 2014a. GeneSight Psychotropic Reduces Overall Medication Cost in Patients Treated with Psychiatric Medications Poster presentation at the American Psychiatric Association Annual Meeting (New York, NY).

Allen, J.D., Carhart, J.M., Winner, J.G., Marshak, A.G., Dechairo, B.M., 2014b. GeneSight Psychotropic Decreases Medication Costs in a Large, Prospective Case–control Project Poster presentation at the Neuroscience Education Institute (NEI) Psychopharmacology Congress. Colorado Springs, CO.

Altar, C.A., Carhart, J.M., Allen, J.D., Hall-flavin, D.K., Dechairo, B.M., Winner, J.G., 2015. Clinical Validity: Combinatorial Pharmacogenomics Predicts Antidepressant Responses and Healthcare Utilizations Better Than Single Gene Phenotypes. pp. 1–9 http://dx.doi.org/10.1038/tpj.2014.85.

Benitez J, Jablonski MR, Allen JD, Winner JG. The clinical validity and utility of combinatorial pharmacogenomics: Enhancing patient outcomes. Appl Transl Genom. 2015 Mar 24;5:47-9. doi: 10.1016/j.atg.2015.03.001.

Center for Medicare and Medicaid Services, Coverage Database, Medicare, 2014, October

Hall-Flavin, D.K., Winner, J.G., Allen, J.D., Jordan, J.J., Nesheim, R.S., Snyder, K. a, Drews, M.S., Eisterhold, L.L., Biernacka, J.M., Mrazek, D. a, 2012. Using a pharmacogenomic algorithm to guide the treatment of depression. Transl. Psychiatry 2, e172. http://dx. doi.org/10.1038/tp.2012.99.

Hall-Flavin, D.K., Winner, J.G., Allen, J.D., Carhart, J.M., Proctor, B., Snyder, K. a, Drews, M.S., Eisterhold, L.L., Geske, J., Mrazek, D. a, 2013. Utility of integrated pharmacogenomic testing to support the treatment of major depressive disorder in a psychiatric outpatient setting. Pharmacogenet. Genomics 23, 535–548.

Winner, J., Allen, J.D., Anthony Altar, C., Spahic-Mihajlovic, a, 2013. Psychiatric pharmacogenomics predicts health resource utilization of outpatients with anxiety and depression. Transl. Psychiatry 3, e242. http://dx.doi.org/10.1038/tp.2013.2.

Winner, J.G., Carhart, J.M., Altar, C.A., Allen, J.D., Dechairo, B.M., 2013. A prospective, randomized, double-blind study assessing the clinical impact of integrated pharmacogenomic testing for major depressive disorder. Discov. Med. 16, 219–227.