Apesar de ser mais comuns entre mulheres, a depressão em homens pode vir acompanhada de alguns agravantes. Estudos comprovam a prevalência ao longo da vida em até 20% nas mulheres e 12% para os homens.

Algumas pesquisas sugerem que a menor incidência do transtorno no sexo masculino acontece por conta dos altos níveis de testosterona encontrado nos homens que poderiam servir como uma espécie de proteção. Entretanto, ainda não foram obtidos resultados confiáveis.

Existem ainda indícios que apontam diferenças na apresentação clínica da doença e nos padrões biológicos de homens e mulheres relativos à neuroplasticidade, assinatura imunológica e na expressão de biomarcadores associados à depressão. A evidência para algumas dessas associações, no entanto, também é limitada.

Homens procuram menos ajuda para tratar depressão

Apesar de haver menos incidência de depressão entre homens, aspectos sociais e comportamentais podem tornar os casos mais graves nesse grupo. Um deles é a baixa procura de ajuda médica.

Devido a um estigma social de que buscar ajuda seria uma prova de fragilidade, homens evitam profissionais da saúde. Quando se trata de saúde mental e preocupações emocionais, o estigma é ainda mais reforçado.

Com isso, ele enfrenta sozinho os sintomas, sem compartilhar suas angústias. A falta de tratamento pode fazer o quadro evoluir e persistir durante muito tempo.

Sintomas de depressão em homens

A depressão pode se manifestar com algumas variações de sintomas no sexo masculino. Entre os sinais da doença entre homens estão a agressividade e comportamentos de risco, tomando atitudes que são prejudiciais para eles mesmos.

O gráfico abaixo apresenta uma análise de como homens com sintomas comuns de depressão como desregulação do sono, perda de apetite, entre outros, tendem a procurar mais ajuda médica do que homens que apresentam sintomas tipicamente masculinos da doença, como agressividade.

Como a doença muitas vezes surge de forma leve, sem que seja notada, muitos acreditam ser algo momentâneo e não vão em busca de informação para se tratar.

Um dos problemas subjacentes que pode ser desenvolvidos a partir de um quadro de depressão é o alcoolismo. Ao não lidar com seus sentimentos, sem o tratamento adequado, ele pode buscar no vício uma válvula de escape para o sofrimento.

A forma como os sintomas estão presente entre os homens depressivos gera impactos negativos na vida do indivíduo em geral, limitando suas conexões com pessoas importantes, por exemplo seus filhos.

Estudos comprovam que homens procuram profissionais somente quando a doença se manifesta de forma mais grave, ou então não o fazem, levando muitas vezes a suicídios. De acordo com a OMS, ocorrem mais mortes por suicídio do que se unissem os números de morte de guerra com homicídios.

Os números se tornam mais alarmantes, quando observamos dados de 2016 no Brasil, onde tivemos um total de 13.467 suicídios, dentro destes, 10.203 eram de pessoas do sexo masculino.

Tratamento para depressão mais rápido e seguro

A ciência e a tecnologia evoluíram muito nas últimas décadas. Hoje é possível realizar um teste farmacogenético para prescrever um tratamento com base nas informações genéticas. Com a Medicina Personalizada, consegue-se obter resultados mais rápidos e menos efeitos colaterais.

O teste farmacogenético analisa como os genes interferem na resposta, toxicidade e metabolismo dos principais medicamentos utilizados no tratamento de depressão. O exame cruza as informações do paciente e da composição dos fármacos. Com isso consegue indicar, por exemplo, quando há uma mutação genética que pode fazer o medicamento ser processado muito rapidamente no organismo e ser eliminado antes de fazer efeito.

O teste prevê quais fármacos devem ter melhor desempenho, quais não devem gerar o resultado esperado e quais oferecem mais riscos de efeitos colaterais. Também mostra quais as dosagens mais indicadas.

No Brasil, a Gntech oferece dois testes farmacogenéticos que podem ajudar o médico a orientar o tratamento para a depressão.

O PsicoGene® é focado apenas em medicamento usados no tratamento de doenças do Sistema Nervoso Central. Já o TotalGene®, inclui todos os medicamentos do PsicoGene® e fármacos usados na oncologia, infectologia e cardiologia, sendo mais completo para guiar diversos tratamentos ao longo da vida.

Índices de pessoas com depressão preocupam

Estima-se que 300 milhões de pessoas sofram perturbações mentais ao redor do mundo. Esse número tende a aumentar devido ao envelhecimento populacional. A depressão se encontra em 4° lugar no ranking de motivos de afastamento dos trabalhadores por doença.

Os principais critérios analisados para realizar o diagnóstico geral são mudanças de humor, perda ou excesso de sono, retardo motor e distúrbios do alimentares.

Frequentemente, pacientes com sintomas depressivos apresentam também características de transtorno de ansiedade como: taquicardia, calafrios, sudorese, entre outros. Isso acontece porque o transtorno geralmente ocorre em momentos de dúvidas ou preocupação, causando grande estresse no paciente.

Referências:

Depressão: como diagnosticar, quais os sintomas e qual o tratamento. Disponível em: . Acesso em: 1 abr. 2020.

OPAS/OMS Brasil - Depressão. Disponível em: . Acesso em: 1 abr. 2020.

RÓS, I. A.; FERREIRA, C. A. DE C.; GARCIA, C. S. Avaliação da Psicoterapia de Grupo em Pacientes com Ansiedade e Depressão. p. 75–86, 2020.

KISCHE, H. et al. Longitudinal change instead of baseline testosterone predicts depressive symptoms. Psychoneuroendocrinology, v. 89, n. December 2017, p. 7–12, 2018.

EID, R. S.; GOBINATH, A. R.; GALEA, L. A. M. Sex Differences in Depression: Insinghts from Clinical and Preclinical Studies. Progress in Neurobiology, 2019.

LABAKA, A. et al. Biological Sex Differences in Depression: A Systematic Review. Biological Research for Nursing, v. 20, n. 4, p. 383-392, 2018.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Mental Health Action Plan 2013 - 2020 - PamfletSaúde Mental, 2013. Disponível em:

CALL, J. B.; SHAFER, K. Gendered Manifestations of Depression and Help Seeking Among Men. American Journal of Men’s Health, v. 12, n. 1, p. 41–51, 2018.